11 3873-6696

Casa das Caldeiras

Casa das Caldeiras um patrimônio cultural que oferece eventos diferenciados.

arte, território, patrimônio. e agora pessoas.

Acompanhe a Casa das Caldeiras no YouTubeAcompanhe a Casa das Caldeiras no YouTube Acompanhe a Casa das Caldeiras no FacebookAcompanhe a Casa das Caldeiras no Facebook Acompanhe a Casa das Caldeiras no TwitterAcompanhe a Casa das Caldeiras no Twitter Acompanhe a Casa das Caldeiras no Google PlusAcompanhe a Casa das Caldeiras no Google Plus

diário do Manual #38

diário do Manual #38

um modo criança-presente

A criança que habita cada um de nós entende e sabe como ser e estar presente. Por isso, a chamamos de "Criança-presente", que nada mais é do que viver uma experiência que nos atravessa e nos surpreende, assim como fazem as crianças. Se liberando daquela atitude de adulto que sabe tudo e que a tudo critica, antes de viver e experimentar.  

Se conectar com esta criança ou com a sua infância, pode proporcionar uma experiência viva e cheia de significados. 

Mas para ser capaz de acionar o “Modo Criança-Presente”, é preciso adquirir consciência.

Vamos lá?

“Modo Criança-Presente” Ativar!

No dia 11 de Novembro de 2018, a equipe do Manual em Família participou da edição 2018 da Virada Zen com apoio do Instituto SAB, promovendo um dia inteiro de experiências para todas as idades e para toda a riqueza de composição de famílias presentes.

Convidamos as pessoas a se conectarem com elementos inspiradores e disparadores, que tinham o objetivo de despertar a infância que habita cada um de nós. Acionar o Modo Criança buscando atingir o estado "Criança-Presente". 

As pessoas foram se aproximando curiosas. Algumas mais abertas e afetivas, outras desconfiadas: “Quanto custa?” ...

"Uai! Pra sonhar não custa nada!" - Respondíamos. Afinal, sonhar é grátis e brincar também!

Pedimos para que as famílias desenhassem, escrevessem e criassem um presente para o momento presente.

Parece estranho? Pois as crianças entenderam tudo rapidinho e não pararam de produzir “obras” incríveis com muita liberdade! 

Havia também uma árvore-personagem que descansava no centro da nossa tenda na Virada Zen. Bujati, uma árvore que tinha muita história pra contar, conquistou a atenção e o carinho das pessoas com seus relatos que falavam da vida, vida que passa... vida presente.

Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la. E comer um fruto é saber-lhe o sentido.*

As ações tinham como proposta despertar a consciência desta experiência. Algo que só pode ser conquistado a partir de um estado verdadeiro de presença, quando nos percebemos inteiros e entregues, abertos e trocando com o meio que nos cerca, que nos abraça e do qual somos todos parte: o meio ambiente.

As pessoas puderam de fato experimentar um encontro para “estar presente”, “estar junto”, “estar conectado”, “compartilhar”.

E SIM! – todos se fizeram "Criança-presente". Como aquelas crianças que sentem, participam e sabem muito bem que são parte de um todo, sem ainda nem ao menos terem aprendido isso na escola. Aquelas que colocam as mãozinhas na terra molhada e fazem bolinhos, catam folhas pra preparar papinha, sobem em árvores, correm sobre as folhas secas, se jogam sobre poças de água.

Criança nasce ingênua, pura e não precisa de muito para ser feliz: AMOR, cuidados, segurança e atenção - PRESENÇA! Criança entende o presente, não se preocupa muito com passado ou futuro. Vive e segue absorvendo tudo. 

Muitos de nós já viveram este estado de presença e inteireza na infância. Uma felicidade possível, de quem aprecia coisas simples como comer gostosuras familiares, dormir aconchegado, receber cuidados para se manter limpinho, receber atenção, amor e sempre que possível, brincar.

Nos tornamos adultos, ganhamos preocupações, somos pessoas já formadas e deixamos pouco espaço para o novo. Achamos que sabemos um pouco de tudo e também aprendemos várias regrinhas como: precisamos ser “alguém”, precisamos ser independentes, precisamos cumprir compromissos, precisamos ter e consumir, devemos ser polidos, não podemos falar com pessoas estranhas, e assim por diante...

E é assim que aos poucos vamos nos desconectando deste “Modo Criança-Presente”.

Nos esquecemos de como é estarmos inteiros e integrados a uma situação. Como é se sentir livre e fazer novas conexões: experimentar um toque, sentir um cheiro, olhar com intensidade, descobrir caminhos, se perder, tomar chuva, ser espontâneo, construir algo inusitado, construir algo inútil, simplesmente andar descalço, andar sem rumo para onde der na telha.

Mas você não acha isso um tanto chato?

No dia da Virada Zen, muita gente teve a oportunidade de perceber a importância deste estado de presença e todos os bons frutos que podem surgir a partir dele: a perceber melhor a si mesmo e ao outro, perceber o meio ambiente que nos rodeia, escutar passarinhos cantando, sentir momentos de harmonia e paz, e assim por diante.

O Diário do Manual de hoje é um convite para que você, no seu dia a dia, exercite ao seu Modo Criança-Presente e experimente mais momentos de conexão num “estado de presença”, para viver mais e melhor os instantes, celebrando o simples fato de estar vivo, por inteiro aqui, neste momento.

Não se trata de esperar as férias chegarem, a aposentadoria, um novo emprego ou simplesmente o fim de semana para sentir que está vivendo de verdade. Todo dia pode ser dia de ser e estar em Modo Criança-Presente. 

“Como uma criança antes de a ensinarem a ser grande, 

Fui verdadeiro e leal ao que vi e ouvi”*

Alberto Caeiro - Heterônimo de Fernando Pessoa 

Artigos Relacionados

Olá, deixe seu comentário para diário do Manual #38

Enviando Comentário Fechar :/
Patrocinadores
Patrocinadores
Patrocinadores
Patrocinadores