11 3873-6696

Casa das Caldeiras

Casa das Caldeiras um patrimônio cultural que oferece eventos diferenciados.

arte, território, patrimônio. e agora pessoas.

Acompanhe a Casa das Caldeiras no YouTubeAcompanhe a Casa das Caldeiras no YouTube Acompanhe a Casa das Caldeiras no FacebookAcompanhe a Casa das Caldeiras no Facebook Acompanhe a Casa das Caldeiras no TwitterAcompanhe a Casa das Caldeiras no Twitter Acompanhe a Casa das Caldeiras no Google PlusAcompanhe a Casa das Caldeiras no Google Plus

Diário do Manual #37

Diário do Manual #37

harmonia no percurso

Entre os maiores desejos de todas as pessoas está o de “ser feliz”.

Mas falar de felicidade é subjetivo e imenso, é um mundo na existência de cada ser humano. Felicidade pode estar em grandes acontecimentos, em pequenos instantes ou simplesmente na trajetória, que leva a grandes e pequenas realizações. Tudo isso está essencialmente ligado à saúde, ao bem-estar, ao equilíbrio, e, principalmente estar presente.

A nossa busca, não é linear. A rota muda tantas vezes, são tantas escolhas, cada um segue desenhando o seu próprio percurso. Para cada fase da vida, um desafio, encantos, percepções e necessidades diferentes. E ser feliz é estar de bem com suas escolhas e aceitar o percurso. 

Tudo começa pela nossa pequena existência no ventre materno, vamos nos desenvolvendo e mudando durante a gravidez, desde cedo, muitas transformações e tantos desafios, viver no mundo muda a gente. Cada pequeno ser é afetado de uma forma única, pois cada um de nós vive suas próprias experiências.

A forma como aprendemos, percebemos, como respiramos, como nos alimentamos, como lidamos com os nossos sentimentos.

Algumas pessoas acabam não se sentindo satisfeitas com o momento em que estão vivendo, com a idade que têm e com o contexto em que vivem. Crianças, que querem crescer logo para serem “grandes”, adolescentes que querem ser adultos para serem independentes, adultos que gostariam de voltar a ser crianças, pessoas idosas que gostariam de reviver a juventude. Tudo isso é absolutamente esperado e normal, se estiver na medida certa. 

Mas quem nunca se perguntou: como eu estou aproveitando a minha vida de hoje? Como eu estou contribuindo para que as pessoas ao meu redor estejam em harmonia com a fase atual delas? 

“A felicidade consiste em dar passos na direção de si próprio e ver o que se é” - José Saramago, escritor

Quando pensamos nas crianças da casa, será que elas têm como regra o livre brincar? As crianças ao seu redor, com certeza têm muita energia para ser gasta e muita facilidade em aprender coisas novas. Que tal misturar movimento, informação e criatividade para que elas façam importantes descobertas que vão ajudá-las na vida adulta? Uma criança que teve sua infância respeitada, terá mais chance de viver as outras fases da vida futura de forma inteira.

A fase da adolescência, sempre carregada de uma série de conflitos, é um momento importante de afirmação da identidade, da individualidade e um momento de ser aceito pelas amizades. Um momento em que “se entender” é o que mais se deseja. 

Como você lida com os adolescentes com quem convive? Você está aberto e paciente com os altos e baixos que dizem respeito a essa fase? Se você já passou por esta fase de instabilidade, experimente compartilhar experiências, contar para essa pessoa jovem que está aí perto, como você fez para superar, se compreender e seguir em frente.

E os desafios de sair da fase da adolescência para uma fase adulta também não são poucos. Lidar com a necessidade do amadurecimento, lidar com a rotina, a responsabilidade recaindo, a administração do próprio tempo, aprender a resolver conflitos, conciliar o trabalho com os cuidados com a família. Todas essas cobranças da vida adulta, podem gerar muita ansiedade. Que tal gastar um tempinho para cuidar de si? Respirar, praticar esportes ao ar livre, fazer uma boa caminhada, sentar na sombra de uma árvore e se permitir refletir para então encontrar melhores soluções. E não deixar jamais de reservar um tempo para diversão e descontração.

Tem também a fase em que o nosso corpo começa a impor os seus limites. Passados os 50 anos, depois dos 60 anos, o corpo vai sentindo os reflexos de tudo aquilo o que vivemos até ali. Cada pessoa lida com isso de uma forma própria. É preciso estar atento para se manter saudável e cuidar do seu estado de espírito. Se manter conectado a vida. Respeitar as suas possibilidades, mas ao mesmo tempo estar ativo, fortalecendo os vínculos de amizade e se reinventando.

Cada fase é única e o mais importante é estar em harmonia com o seu calendário pessoal. Independente da fase em que você se encontra, tente aproveitá-la da melhor forma possível e seja generoso com a maneira como que as pessoas ao seu redor lidam com as suas próprias trajetórias. Esteja aberto, presente e se perdoe, saboreie plenamente a experiência. Viver pode ser uma grande aventura ou uma suave deriva. Só é preciso se conhecer para poder escolher como você quer aproveitar seus dias aqui na nave-mãe.

Artigos Relacionados

Olá, deixe seu comentário para Diário do Manual #37

Enviando Comentário Fechar :/
Patrocinadores
Patrocinadores
Patrocinadores
Patrocinadores