11 3873-6696

Casa das Caldeiras

Casa das Caldeiras um patrimônio cultural que oferece eventos diferenciados.

arte, território, patrimônio. e agora pessoas.

Acompanhe a Casa das Caldeiras no YouTubeAcompanhe a Casa das Caldeiras no YouTube Acompanhe a Casa das Caldeiras no FacebookAcompanhe a Casa das Caldeiras no Facebook Acompanhe a Casa das Caldeiras no TwitterAcompanhe a Casa das Caldeiras no Twitter Acompanhe a Casa das Caldeiras no Google PlusAcompanhe a Casa das Caldeiras no Google Plus

Diário do Manual #30

Diário do Manual #30

Encontro de Gerações

 Como se relacionar com pessoas de gerações diferentes?

Para além da sua família, você convive com outras pessoas muito mais novas ou muito mais velhas?

Como se dá esse encontro?

Durante as Vivências Família-Ação- ações do projeto realizadas com diferentes grupos e configurações de famílias, que propõem estimular ações positivas através da troca de experiências – notamos que o encontro entre gerações pode ser prazeroso e trazer muitas trocas e aprendizados.

Em um dos encontros realizados pelo projeto Manual em Famíliano Jabaquara, numa comunidade autodenominada de “Sem Terra”, com famílias atendidas pelo SASF Jabaquara, tivemos momentos inspiradores ao reunir crianças e jovens, com adultos e idosos.

Enquanto as crianças brincavam de corda, uma senhora se aproximou dos membros da equipe do Manual e do SASF Jabaquara, que tocavam músicas inventadas e brincavam com os instrumentos. Quando questionada sobre suas músicas preferidas, veio à tona uma das famosas músicas dos Demônios da Garoa – tradicional grupo de samba de São Paulo.

Iniciada a cantoria, as crianças passaram a prestar a atenção, foram se sensibilizando e ao final se formou uma pequena roda de choro formada por crianças e adultos, que de forma leve e descontraída, passaram a trocar referências musicais, dançar e dar boas risadas juntos.

Outra experiência vivida por nossa equipe nos últimos tempos aconteceu durante uma Vivência Família-Ação realizada na Casa das Caldeiras. Durante um momento em que as famílias foram convidadas a contar suas histórias, avó e neto se sentaram juntos para confeccionar um desenho que retratasse a história da sua família.

Relembrando um passado sofrido, a avó orgulhosa contou ao neto que veio do Nordeste para São Paulo em um pau-de-arara. Muito pensativo e curioso, o neto questionou o que era isso: um pau-de-arara.

Outras crianças e adultos foram se sentando ao redor, curiosos em escutar a explicação. Ela então contou que pau-de-arara era o nome dado a um meio de transporte irregular, realizado em caminhões que são adaptados para transportar pessoas, ou seja, um substituto improvisado para os ônibus convencionais.

Todos ficaram fascinados com a história desta forte mulher que veio e fez sua vida em São Paulo. E o neto, orgulhoso, ao final fez questão de contar o que tinha aprendido com a história contada pela avó.

Atualmente, as relações entre gerações acontecem normalmente no núcleo familiar. Uma avó que cuida do neto, uma tia mais velha que convive com os sobrinhos adolescentes, ... e assim por diante. Os relacionamentos entre crianças e jovens, com adultos e idosos, em sua grande maioria, são pautados por vínculos familiares.

Mas você já parou pra pensar o quanto esse tipo de relação fora do contexto familiar também pode ser muito interessante, e até educativa, se realizada de forma igualitária, afetiva e respeitosa?

Se deixarmos as diferenças de lado e as barreiras que são criadas por conta dos estereótipos, podemos nos fortalecer como coletivo e ganhar forças para seguir em frente. Aprendendo, trocando e deixando a vida mais leve.

Talvez exista uma resistência em se relacionar com alguém que viveu ou vive um tempo muito diferente do nosso. Um preconceito estereotipado, criado por conta da faixa etária: “Ah... o que esse jovem tem para me ensinar se ainda é irresponsável?” ou “Nossa, mas esta pessoa que já está com essa idade avançada, não está antenado no mundo de hoje... Já está ultrapassado!”

É preciso SEMPRE nos lembrar, que o outro, tem em si o universo. Somos capazes de aprender e nos surpreender com o outro, o diferente, o estrangeiro.

Os idosos nem sempre são pessoas que desistiram de um projeto de vida estimulante - podemos aprender muito com eles, com suas histórias de superação, nos encantar com memórias de um tempo que não vivemos.

Enquanto as crianças e jovens, com sua energia e vitalidade, podem nos ensinar tanto, nos conectar com o presente, nos apresentar o inusitado, a subversão, nos presentear com sua ludicidade.

Os adultos, mergulhados em sua rotina, poderiam se presentear com mais momentos de encontro, para romper com seu cotidiano previsível e se encantar com a convivência entre gerações, com crianças e idosos.

O Diário do Manual propõe mais trocas afetivas entre as gerações.

Observe e se abra para a possibilidade de conviver com pessoas de outras gerações. Independente da idade, podemos aprender e mudar a partir da experiência da convivência.

 

Artigos Relacionados

Olá, deixe seu comentário para Diário do Manual #30

Enviando Comentário Fechar :/
Patrocinadores
Patrocinadores
Patrocinadores
Patrocinadores